Os maiores influenciadores de moda e lifestyle do Brasil

As ações judiciais mais famosas do mundo da moda

Embora o reino da moda possa parecer muito glamoroso e pitoresco para ter quaisquer questões jurídicas monótonas, sua posição como uma indústria de bilhões de dólares na economia global certamente necessita de uma boa parte dos conflitos legais. Alguns dos maiores varejistas do setor se viram em situações jurídicas comprometedoras que, de uma forma ou de outra, levam a ações judiciais não tão atraentes. Normalmente, esses conflitos surgem quando marcas de luxo descobrem que seus designs estão sendo replicados por uma fração do preço em distribuidores acessíveis. Mais recentemente, a Guess evitou o que poderia ter se transformado em outro processo de imitação para a criação de uma quase réplica da ultra-popular Telfar Shopping Bag, decidindo, em vez disso, retirar o design das vendas.

Os processos judiciais são um dispositivo usado para manter o luxo em alguma capacidade, ao mesmo tempo em que homenageia a arte e o artesanato que entram na produção de uma peça única de roupa. No entanto, esse não é o único tipo de ação comum no mundo da moda. Disputas importantes ocorreram devido a participações majoritárias, maus-tratos e condições de trabalho inadequadas.

Gucci v. Forever 21, John Galliano v. Dior e Former Intern v. The Hearst Group são apenas alguns processos notáveis ​​que chegaram à esfera pública nos últimos anos, mas os conflitos jurídicos são mais comuns do que você possa imaginar. A batalha contínua da Chanel contra os revendedores, preservou a posição da marca no topo do totem da moda, mantendo seus produtos exclusivos e de elite. Isso prova como os processos judiciais são essenciais nessa indústria agitada e em constante evolução, independentemente de terem a intenção de combater a apropriação ou manter a agência simbólica. Separamos aqui, ações judiciais mais memoráveis ​​da moda, acredite em nós – elas estão longe de ser fabulosas.  
Hermes v. LVMH
A relação da Hermès com a LVMH (Moët Hennessy Louis Vuitton) sempre foi tensa. Sua identidade como uma marca francesa familiar entra em conflito com a posição da LVMH como um grande conglomerado internacional. Em 2010, a LVMH possuía 14,2 por cento da Hermès e alegou que não pretendia obter mais controle sobre a marca. No entanto, em questão de anos, a LVMH anunciou que suas participações aumentaram para 22,3 por cento. A notícia chegou ao então CEO da Hermès, Patrick Thomas, poucas horas antes de chegar aos principais veículos de notícias em todos os lugares. Esta mudança inesperada causou uma série de ações judiciais até que a LVMH concordou com o desinvestimento em 2014.
Hells Angels v. Alexander McQueen
Em 2010, o lendário clube de motociclismo Hells Angels processou o estilista de luxo Alexander McQueen, alegando que a casa de moda britânica estava fazendo mau uso de sua marca registrada a caveira alada. Os Hells Angels, que operam uma corporação em pleno funcionamento, citou que um anel de quatro dedos e uma bolsa feminina carregavam, a assinatura do grupo. McQueen resolveu o processo concordando em destruir a mercadoria que exibia a assinatura.
John Galliano v. Dior
Em 2011, John Galliano foi destituído da chefia da Dior devido ao uso de calúnias anti-semitas problemáticas. Depois que sua explosão decepcionante capturada pela câmera, a posição de Galliano como uma figura notável no mundo da moda foi manchada. No entanto, apenas alguns meses depois, ele abriu um processo contra seu ex-empregador por aproximadamente US$18,8 milhões. Galliano alegou que ele foi demitido injustamente, mas o tribunal acabou rejeitando sua reclamação.
Yves Saint Laurent v. Christian Louboutin
Em 2012, Christian Louboutin entrou em uma disputa legal com Yves Saint Laurent depois que a marca de luxo lançou um sapato de salto alto que incluía uma sola toda vermelha. Depois de uma batalha de 18 meses no tribunal, ambas as marcas finalmente conseguiram o que queriam. O tribunal concluiu que a Louboutin tinha o direito de proteção de marca registrada sobre seu solado vermelho e que outras empresas podem continuar a vender sapatos com sola vermelha, desde que o sapato inteiro seja vermelho. A Saint Laurent conseguiu manter este sapato como parte de sua coleção pelo fato de ser totalmente vermelho. 
Gucci v. Guess
A Gucci e a Guess se envolveram em uma batalha legal de quase uma década que terminou em um acordo em 2018. O litígio, que girou em torno das alegações da Gucci de que o varejista usava um logotipo e um padrão de diamante que infringia sua marca, abrangindo vários países, incluindo Itália, França, Austrália e China. A primeira ação legal foi iniciada em 2009, quando a Gucci acusou a Guess de falsificação, concorrência desleal e violação de marca registrada. 

A Gucci levou a Guess pela primeira vez a um tribunal federal de Nova York em 2009, acusando a marca de falsificação, concorrência desleal e violação de marca registrada, com base em um par de tênis de marca. Em 2012, a grife italiana de luxo recebeu US$4,7 milhões em danos. Em seus procedimentos internacionais, Milão e Paris ficaram do lado de Guess, enquanto China e Austrália decidiram a favor de Gucci. Os termos do acordo de 2018 não foram divulgados, mas ambas as marcas fizeram uma declaração conjunta dizendo que, “O acordo é um passo importante para ambas as empresas no reconhecimento da importância de proteger seus respectivos portfólios de propriedade e criatividade de design”.
Valentino e Amazon v. Vendedores de produtos falsificados
Em junho de 2020, a Maison Valentino se associou à Amazon para entrar com um processo conjunto contra um vendedor da Amazon Markertplace que estava produzindo e vendendo inúmeras versões falsificadas dos famosos sapatos Garavani Rockstud de Valentino. Apesar das políticas rígidas da Amazon contra falsificações, a potência do comércio eletrônico tem fornecido uma plataforma para que os principais distribuidores ilegais alcancem compradores internacionais desde seu início. Com o Valentino, a Amazon alegou que o Kaitlyn Pan Group se envolveu em violação “consciente e intencional” do design patenteado de Valentino e, como resultado, o vendedor foi totalmente removido da Amazon. 

O artigo As ações judiciais mais famosas do mundo da moda foi publicado pelo L'Officiel Brasil.

+ Confira outros artigos na L'Officiel Brasil

Deixar Comentário